ADS 468x60

segunda-feira, 24 de junho de 2013

ACONTECIMENTOS ANTIGOS EM TEÓFILO OTONI

* Os corretores de pedras preciosas eram muitos na Praça Tiradentes e ali no "Beco dos Aflitos" na subida do morro da Copasa. Eles eram conhecidos por "cambalacheiros".

*Seu Nô, chefe do cemitério municipal, tinha e usava uma bicicleta preta com placa da Prefeitura Municipal de Teófilo Otoni e o número era UM.

*A Prefeitura Municipal tinha alguns guardas que orientavam o trânsito e "prendiam" as bicicletas que não eram emplacadas. Um daqueles guardas era conhecido por Zé Gaguinho.

* O senhor Joaquim Duarte era proprietário de um chiqueiro de porcos ali na antiga Vila Verônica. Quando ele matava porcos, a meninada do lugar ficava esperando ele doar a bexiga do porco. Lavavam, enchiam e jogavam futebol com a referida bexiga.

*Ali pelos lados do Bairro Ipiranga existia uma grande serraria de propriedade da família Ferreira.

*Diziam que tinha policial que fazia feira completamente fardado. As más línguas afirmavam que ninguém cobrava pelas verduras e legumes. Será?

*No cemitério municipal existia um quartinho escuro onde guardavam ossos. Aquele quartinho assustava muita criança e gente adulta também.

*Àquela época, o ladrão mais conhecido era o ladrão de galinha que só perdia o posto para o ladrão de perú em véspera de natal.

*Dona Zilda Onofre foi a primeira diretora do SESC em Teófilo Otoni e uma das suas colaboradoras foi Dona Olga Lorentz.

*Jadir Barbosa foi um grande artista cantor em Teófilo Otoni. Nos últimos tempos ele vagava solitário pelas ruas da cidade conversando sozinho com seres de outros planetas, segundo ele.

*Quando os trens da extinta estrada de ferro Bahia Minas passavam ali nas imediações da rua do arrasta couro, os foguistas jogavam toras de lenha para as mulheres do curral das éguas que cozinhavam em fogão a lenha.

*No antigo bairro do Veneta, hoje Manoel Pimenta, existia uma rua apelidada de "Rua dos Caianas".

*Os festeiros jovens Beijoca e Ciciba moravam na "Rua dos Caianas".

*Em Teófilo Otoni já teve dois conjuntos musicais muito famosos que eram "Os Dominantes" e "Os Cometas".

*Um senhor de nome Waldemar que tinha um imenso bigode, construiu um salão para festas na Avenida João XXIII que ficou conhecido por " Cabaré do Bigodeira".

*Dona Chiquinha Ottoni, Dona Hélia Ottoni, Maria Amélia Coy, Lígia Gusmão, Davina Prates, Ambrosina de Jesus, Etelvina de Jesus, Professora Amélia Matos, Dona Nilza Minas Novas, foram pioneiras na antiga escola nossa senhora dos pobres na Vila Verônica.

*Todos os domingos havia troca de revistas gibís nas portas dos cinemas e as preferidas eram Zorro, Rin Tim Tim, Tarzan, Roy Rogers, Fantasma. Mandrak, Brucutu, Príncipe Valente, Luluzinha, Revista do Rádio, Revista dos Esportes, Capitão América.

*Naquele tempo, mandar doentes mentais para Barbacena e os presos para Neves era "como mandar para o inferno".

* O SAMU de hoje era conhecido antigamente em Teófilo Otoni por SANDU e o motorista da ambulância era o senhor Renato Simões.

*Um bloco de carnaval chamado de Caninha Verde era muito querido. Pertencia ao Clube Operário Sete de Setembro que foi fundado por Trazibulo Rodrigues, o Tôco padeiro.

*Muitos cambistas vendiam bilhetes de loteria para o senhor Alirio que tinha um lotérica de nome "A Vencedora". A tirinha simples era apelidada de "Calango".

*No antigo Colégio São José tinha um padre muito alto que era chamado pelos estudantes de "Frei Bitelo".

*Robson Andrade foi durante muitos anos presidente do Sindicato dos Garimpeiros, assim como o inteligente professor Wilson Colares foi por muitos anos presidente da União Estudantil de Teófilo Otoni, UETO.

*O primeiro carro importado que vi circulando nas ruas de Teófilo Otoni foi um Mustang que pertencia ao empresário Chico Dupim que também tinha um avião Teco Teco.

*O Chefe dos Correios era o senhor Pery Lavall e ao lado dos Correios tinha uma banca de revistas que pertencia ao senhor Leolito Cabral Marinho.

*Diziam àquela época que a mulher mais bonita de Teófilo Otoni era a senhora Lurdinha Ganem.

*Um negro de nome Heraldo foi linchado no centro de Teófilo Otoni. Segundo relatos antigos, ele teria assassinado uma moça da sociedade.

*A ditadura militar prendeu muita gente, a exemplo de Petrônio Mendes, Tim Garrocho, Nestor Medina, Oswaldo Reis, Mauro Esquerdo, Chico Onofre, Precioso dos Correios, Joaquim Guedes( camisão), Dalton Godinho, Oldack Miranda, Édson Soares, Davi "Boca de Mula".

*Os cigarros mais vendidos eram Continental (sem filtro), Mistura Fina, Consul, Hollywood, Kent, Minister e Arizona.

*Existiu um pintor muito famoso e requisitado. Seu nome era Zé Rosa.

*Na subida do morro do cemitério municipal tinha uma serraria que pertencia ao senhor Tarciso Ramos e o gerente era o senhor Ernani Oliveira.

*Alguns antigos jogadores de futebol tinha apelidos engraçados a exemplo de Zé das Botas, Bode, Manoel Bacué, Picolé, Zé Rolinha, Guará, Padeiro, Prensinha, Pila, Marreco, Lancha, Carlinhos Ferra Bode, Lambreta, Caruê, Arnaldo Bagana, Carabina, Psiu, Cachoeira, Citana, Gordinho, Gaitan, Chupa Côco, Chico Radiola, Bigodinho, Dofinho, Nicotina, Lelé, Zezé Foguinho, Bili, Sarué, Madalena, Tião Galinha, Pavão, Tim Sapo, Paulinho Pinico, Ganso, Pirú, Lugão, Biúca.

*Alguns técnicos de futebol também tinham apelidos engraçados a exemplo de Tesourinha, Oswaldo Suco de Cana.

*Próximo à prefeitura municipal tinha uma velha pinguela que passava sobre o Rio Todos os Santos e saia no antigo Beco do Rex onde existia o antigo Hotel Rex. Aquela pinguela era muito usada pelos estudantes do antigo Colégio São José.

*Os cabeleireiros eram conhecidos por Barbeiros. Tinha um corte de cabelo que era muito pedido e conhecido por Príncipe Danilo ou Príncipe do Nilo.

*Muitas pessoas ficaram famosas em Teófilo Otoni devido apelidos a exemplo de Tôco Padeiro, Tim Garrucha (Vereador), Catitú Dentista, Seo Nõ do Cemitério, Zezé Confusão, Peixe Cobra, Zé Cueca, Marradia, Renato Muquirana, Armando Piu Piu, Maria Xarope, Parafuso, Ari da Futurista, Buck Jones, Celso Boi, Noca Pechir, Joaquim Camisão, Alírio da Vencedora, Chumbeira, João Rico, Anésia do Cartório, Wanderlister Negão, Raimundo Pé de Boi, Seo Biba Barreiros, Édson Soares Caveira, Davi Boca de Mula.

*Naquele tempo, os padres rezavam a missa de costas para o povo e em Latim.

*Ali pelas bandas do mercado municipal ficavam vários carroceiros em fila á espera de carretos, fretes.

*Antigamente, a maior e mais bonita casa do centro era do "Coronel" Pedro Martins Abrantes que foi prefeito de Teófilo Otoni.

*Um senhor de nome Rachid dizia que era Gay assumido. Outros morreram sem assumir e muitos estão vivos em cima do muro ou escondidos no armário.

*Antigamente em Teófilo Otoni, circulava um jornal de nome "O Liberal" que pertencia ao jornalista Augusto Pereira.

*Teófilo Otoni teve Cinco cinemas. O Cine Império (Poeira), o Cine Vitória, o Cine Metrópole, O Cine Palácio e o Cine Ideal.

*O porteiro do Cine Império(Poeira) chamava-se Félix e tinha o apelido de FEL.

*Muitos coveiros trabalharam no Cemitério Municipal a exemplo de Quelementinho, Zé Cirino, Geraldo Guarani, João Batista, Geraldinho.

*O fundador do América Futebol Clube em 12 de maio de 1936 foi um negro de nome Benvindo Viana.


Autor: Walter Teófilo Rocha Garrocho(Téo Garrocho)- Texto dedicado a todos aqueles que contam e preservam a história da cidade de Teófilo Otoni, nossa terra natal. Em 24/06/2013, Barbacena-MG.












7 comentários:

Walter Luiz disse...

Meu caro Teo Garrocho, morei no barro branco prox. Ao rasta couro e marajoara.Meu pai Juvenal era infermeiro da estrada de ferro Bahia Minas. Pessoas citadas por vc algumas cheguei a conhecer como Citana , Bacué, Caruê e outros, que saudade. Ficou faltando alguns como: Zé Meâ, gê boca torta, Lala boca de caçapa . Roubavamos melancia sexta feira à noite no mercado e freguentavamos a sessão dos namorados no cine vitoria comandado por Lourival Pechir. Quero encontrar essa minha turma ok?

ORNELIA GG disse...

Adorei este texto... Me fez voltar aos bons tempos... Adorava a Teófilo Otoni desta época, onde a fonte ⛲ luminosa era nossa maior alegria...

fatimapereirasouza disse...

Amei. Sou nascida em Teófilo Otôni, mas devido o fim da estrada de ferro bahia minas, meu pai foi transferido para outras paragens. O jornal O liberal que vc cita era de meu tio Augusto irmão de meu pai Olimpio Pereira de Souza conhecido como capueira,jogava futebol era goleiro.sempre vou matar saudades. Amo Teófilo Otôni.

Nilvan Nogueira disse...

Muito bom texto. Não sou desta época, mas cresci ouvido meus pais, tios, avós, citando a maioria destes "nomes/lugares". Parabéns pelo tempo dedicado ao resgate de nossa história!

Teo teixeira disse...

Parabéns Téo, gostei muito do seu texto e das "histórias do fundo baú".
Como dizem, recordar é viver. Do xará.
Téo

sonia disse...

Zézé confusão, era meu pai e trabalhava como pedrista, que era como se chamava os comerciantes de pedras preciosas, que ficavam vendendo na praça quando eu era criança. Não o vejo há mais de 30 anos e nem sei se vive ainda. Sinto muitas saudades de minha cidade natal e espero um dia ainda voltar pelo menos para rever minha terra.

Ono Jord disse...

E o Lourival Peixir da rádio Teófilo Otoni? Sua "hora do ângelo" às seis da tarde era sensacional. E a rua Francisco Sá, local das raparigas? Quem nunca foi? O Centro dos Chofferes na Rio Bahia. O Colégio São José, com o Frei Berardo, Frei Matias(bitelo) e o baixinho frei Conrado. A caixa d'água lá no morro. A estátua dos alemães em frente ao cine Metrópole. O colégio Portugal bem ao lado onde bastava pagar e passar de ano. A igreja Matriz lá no alto, quantas missas assisti ali. O Fórum bem defronte o jardim onde Anésia trabalhava. A churrascaria Cristal ali perto do cine Vitória. O correio, quantas cartas despachei dali. Rua das Flôres. Praça Tiradentes.
Farmácia Indiana. A nova rodoviária. Sensacional a antiga Teófilo Otoni. Hoje completamente irreconhecível. Nada mais resta daqueles tempos. Quem voltar lá com certeza irá imaginar que errou de cidade.

Postar um comentário